A Morte


Resolvi escrever estas palavras após a leitura de um blog de uma grande amiga…

Um assunto tão delicado de falar para alguns, tão fácil para outros!!! Não quero deixar transparecer aqui uma “imagem” uma “ideia” errada de mim próprio, mas são simplesmente os factos da vida que nos vão modelando. Desde muito pequeno que fui obrigado a enfrentar a morte de “frente” lembro-me que, com a idade de mais ou menos seis anos, sentir esse sentimento de perda de um familiar querido, a minha bisavó “avómige, como todos lhe chamávamos” que tive a sorte de conhecer e com ela conviver, e com o decorrer dos anos outras mais vieram, mais próximas ou não, deixando todas a sua marca, pelas quais ainda “choro” em silêncio…

Mas, como na vida só uma coisa é certa a morte… Fui-me protegendo e criando defesas a medida que apareciam, não querendo com isto dizer que me tornei uma pessoa mais invencível, não antes pelo contrário, mas talvez mais sensível e compreensivo com esta situação a qual ninguém ainda conseguiu fugir…

E seguindo um lema de vida, uns dias mais que outros “estimar em vida e não (idolatrar) depois da morte” não “chorar” pois quem parte “acreditando ou não estarão em algum sitio a olhar por nós” mas sim com saudades, recordar com carinho tudo o que essa pessoa nos ensinou e o que ela para nós significou preservando assim na memória o que um dia essa pessoa foi…

2 comentários:

Yashmeen disse...

Felizes daqueles que lidam com a morte com essa serenidade e paz de espírito...

Albatroz disse...

A morte...
Esse aspecto indissociável da vida, é ela que faz com que a vida seja preciosa e valiosa, protegida e amada, a vida sem morte, não era vida.
A morte...